Conselho Assuntos Económicos

Os nomes atribuídos ao grupo de homens que auxilia o Pároco a resolver os assuntos económicos da comunidade cristã e do culto católico foram sendo diversos ao longo do tempo. Desde corporação fabriqueira, Fábrica da Igreja ou Conselho Paroquial para os Assuntos Económicos, certamente já todos ouviram falar deles.

Sabe-se que o Pároco, enquanto administrador da Paróquia, deve rodear-se de colaboradores peritos e experimentados em matéria de gestão de bens temporais, que, constituindo com ele, e sob a sua presidência, o Conselho Paroquial para os Assuntos Económicos (CPAE), de acordo com o direito universal, as normas dadas pelo Bispo Diocesano e este Estatuto, deve ouvir. O Conselho para os Assuntos Económicos é composto por seis membros.

A escolha dos membros é proposta pelo Pároco, em número de três a sete, sendo então apresentados pelo Pároco, ao Bispo Diocesano, que, se achar por bem, os nomeará por um período de três anos. Esta escolha é, portanto, da responsabilidade do pároco. O mesmo pode ainda confiar aos membros do Conselho Paroquial para os Assuntos Económicos o encargo de secretário e de tesoureiro.

Além da experiência na gestão de bens temporais, é pedido aos conselheiros que sejam fieis leigos, homens ou mulheres, de maior idade, com vida familiar regularizada, dotados de sentido eclesial e pastoral e reconhecidos, na Paróquia, pela sua seriedade e competência administrativa” (Art. 3º).

A Fábrica da Igreja não se trata de um órgão com funções meramente organizativas, nem de uma estrutura delineada segundo os critérios da democracia representativa (os membros eleitos representam aqueles de quem receberam o voto). Também não é uma espécie de elite eclesial.

Cabe ao Conselho administrar, recolher e valorizar o património da Paróquia, em ordem à melhor obtenção dos seus fins espirituais. Segundo os Estatutos “o Conselho tem voto meramente consultivo. No entanto, o Pároco não deve afastar-se do seu parecer, sobretudo em matérias de maior importância, administração extraordinária e se tal parecer foi concorde, a não ser por motivo prevalente que, em diálogo com o Bispo Diocesano, avaliará.” (artigo 8.º do Estatuto).

 

Fábrica da Igreja (Conselho Assuntos Económicos) 2018-2021

 

Presidente: Pe. Tiago Rodrigues

Tesoureiro: João Luís Alves da Silva

Secretária: Maria Alice Parente da Silva

Vogais: José Manuel da Cunha Caçador e Manuel Correia da Lage

 

 

 

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *