“Aleluia! Deus está com a família Parente”

  • IMG_1079
  • IMG_1084
  • IMG_1100
  • IMG_1112
  • IMG_1115
  • IMG_1136
  • IMG_1148
  • IMG_1152
  • IMG_1156
  • IMG_1159
  • IMG_1161
  • IMG_1164
  • IMG_1165
  • IMG_1168
  • IMG_1171
  • IMG_1186
  • IMG_1187
  • IMG_1206
  • IMG_1217
  • IMG_1223
  • IMG_1395

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Como tínhamos prometido não deixamos escapar uma matéria relacionada com o grande momento que é o anúncio de Cristo Ressuscitado. A vigília pascal começou, este ano, na Capela do Senhor dos Passos, a 4 de Abril, às 21h30, seguindo-se a Eucaristia e, nos dois dias seguintes, o compasso pascal. A mordomia da família Parente viu encontrada a família sucessora, já que será o José Lages, a Rosa Emília e a família a assumir este compromisso.

“Com imensa alegria reunimo-nos para celebrar a Ressurreição do Senhor Jesus, o nosso bem, o nosso tesouro e o nosso conforto”, começou por atentar o senhor Padre Vítor. Já antes tinha decorrido a bênção do lume novo com que foram acesos os novos círios das comunidades paroquiais que orienta, Cardielos e S. Lourenço, cuja mordomia esteve presente em todas as cerimónias.

Precisamente com as velas acesas neste lume, símbolo da vida, a comunidade seguiu em procissão até à Igreja. O senhor Padre Vítor fez-se acompanhar durante estes dias marcantes para a comunidade pelo seminarista Eduardo Apambilla, que tomou a seu cargo a presidência do compasso paroquial no Domingo, 5 de Abril.

A vitória da Vida sobre a morte

É mais do que sabido que, na Vígilia pascal, há mais leituras que o habitual, do antigo e novo testamento. É uma oportunidade para se percorrer a história do Povo de Deus. Desde a criação que Deus projectou o mundo, o homem e a mulher em plena harmonia para viverem felizes, “e Deus viu que tudo era muito bom”.

Por isso, cabe à humanidade continuar a obra redentora que Deus começo. Por certo, o Povo afasta-se, peca, desanima, mas se cumprir os mandamentos do Senhor, permanece no seu amor. Por Adão e Eva o pecado entrou no mundo, porém Deus envia o Seu Filho quando os Homens achavam que não tinham salvação possível.

Deus envia o seu Filho, o bem mais precioso. Jesus surge na história da humanidade, sabendo aceitar as diferenças de todos e mostrando que é possível cumprir o plano de Deus. Este plano “mostra como adorar a Deus e o próximo”, continuou a explicação o Sacerdote.

No final “o Senhor Jesus foi tão amoroso que partiu para a Casa do Pai, para o descanso eterno, para nos salvar”. Todos poderão um dia tomar parte neste banquete celeste. De facto, Jesus Ressuscita para nos mostrar que também nós vamos ressurgir para a vida nova”.

Uma missa maior do que o habitual, com ofertório solene onde o mordomo da cruz recorreu à colaboração dos familiares,  a Boa Notícia que anunciava “glória a Deus nos Céus e paz aos homens na terra”, sinal que Cristo vive Aleluia, chegou pela voz de duas crianças. No final da Eucaristia mais uma vez um momento de convívio com um mimo que vem sendo recorrente nos últimos anos.

Estalaram os foguetes, ouviu-se o rufar dos bombos de sampriz nestes dias de festa pelas ruas da freguesia.O convite feito a todos era simples: exultemos cheios de alegria para levar bem longe esta notícia que ninguém pode calar. Cristo está vivo!

Esta mensagem voltou a estar implícita na Eucaristia do Domingo de Páscoa, pelas 7h30. O Padre Tiago desejou que “este refrão esteja presente até ao Pentecostes, isto é durante 50 dias”.

O mesmo prosseguiu lembrando que é necessária a experiência da Ressurreição, que não é uma bonita lenda ou história, mas que aconteceu verdadeiramente”. Portanto, o Ressuscitado é uma pessoa viva e leva-nos a partilhá-lo. Neste tempo também “nós somos uma nova massa porque partilhamos e fazemos festa. Embelezamos a Igreja, cantamos em tons de júbilo e queremos ir de casa em casa para que os outros acreditem”.

“Que o coração seja a expressão e símbolo que queremos sintonizar o coração com o coração de Cristo Ressuscitado”, rematou o Sacerdote convidado. Como referimos o seminarista Eduardo acabou por comandar o compasso pascal no Domingo e o Padre Vítor na Segunda-feira, 6 de Abril, após a Eucaristia, naturalmente.

José Lages, Rosa Emília e família são os novos mordomos

De casa em caso foi-se espalhando alegria, uma verdadeira festa da família e dos amigos, tal qual o foi o almoço da cruz, onde se ficou a conhecer o novo mordomo, para 2016, o José Lages e a família, cumprem assim um plano que já estava na sua mente há muito.

Para o Henrique Parente e família o sentimento era de alegria e agradecimento. O remate da cruz na Segunda-feira, pelas 20h30, foi mais uma vez de enorme adesão e podia comparar-se a qualquer conclusão das festas de Nossa Senhora do Amparo. Isto porque, além dos bombos, a banda de gaitas de S. Tiago de Cardielos apareceu como convidada.

No entanto este momento só podia ser apreciado fora da Igreja. Na Casa de Deus, o senhor Padre Vítor deixava um profundo agradecimento a todos, tal qual o Henrique. “Depois destes dias em que comemoramos Cristo Ressuscitado, quero agradecer a todos os que trilharam este caminho connosco, nos bons e nos maus momentos, na prosperidade e na dificuldade. E fazemo-lo com a humildade própria daqueles que têm a consciência de que nada – absolutamente nada! – se constrói sozinho, senão em parceria, em conjunto com o próximo e principalmente com Deus”.

O mesmo acrescentou: “estou profundamente grato a todos, sem exceção, mas a minha convicção é de que um projecto como este, uma festa como esta, tem dois pilares indispensáveis: a família e os amigos. A estes, quero dizer, com absoluta certeza do reconhecimento, muito, muito obrigado! Neste momento, gostaria de registar o mais profundo agradecimento aos meus irmãos, cunhados e cunhadas, sobrinhos e sobrinhas, e claro, à minha mulher e filhos”. (…) A toda a paróquia de Cardielos, a Família Parente quer agradecer a confiança e fidelidade depositada em nós”.

Desta forma,  “o objectivo foi cumprido e podemos dizer que a nossa missão foi executada com sucesso. Levamos Cristo Ressuscitado a todas as famílias que nos quiseram receber e a todas as pessoas que por nós passaram” (…) Porém, existe ainda uma outra razão para este estado de alegria. Hoje pudemos anunciar os futuros Mordomos da Cruz de 2016: José Lage e Rosa Emília. Em nome da família Parente, quero felicita-los pela decisão tomada e desejar-lhes muitas felicidades, força e coragem para o ano que se aproxima. Quero também que saibam que podem contar com o nosso apoio e que vamos estar sempre aqui para vos ajudar no que for necessário. Cristo está aqui e a nossa tarefa é estarmos permanentemente preparados para os desafios que ele nos coloca”.

Como é vivida a Páscoa pela mordomia?

Depois de passada toda a azáfama e trabalho deste projecto para a família Parente, estivemos à conversa com o mordomo Henrique, junto do qual obtivemos algumas confidências no que toca à organização deste grande momento para a comunidade paroquial.

  1. Que balanço faz da Páscoa de 2015?

Faço um balanço muito positivo. Foram dias extremamente felizes, cheios de boa disposição e alegria. Foi muito bom levar Cristo ressuscitado a todos aqueles que nos abriram as portas e nos receberam extraordinariamente em suas casas. Existiram sentimentos muito bons durante o tempo todo que transformaram a Páscoa de 2015 numa Páscoa inesquecível.

  1. Em que se inspiraram para o conceito do Coração de Viana?

Desde o primeiro dia em que aceitamos o desafio de sermos Mordomos da Cruz que o nosso lema foram as tradições, os vidrilhos, a filigrana de Cardielos, de Viana do Castelo, que tanto nos caracteriza. Utilizamos o Coração de Viana também como homenagem a todas aquelas pessoas que bordam e que trabalham no artesanato Vianense. Para além disso, se formos às origens do Coração de Viana, este passou a ser utilizado pelos vianenses como símbolo do sagrado coração de Jesus (o coração com a chama no seu cimo) e do amor que Cristo tem por nós, não havendo, por isso, melhor símbolo Vianense para a Páscoa, altura que que Cristo ressuscita porque nos ama, altura em que demonstra todo o seu amor.

  1. Esperavam mais portas abertas?

Já estávamos mais ou menos a contar com o número de casas que abriram as suas portas ao compasso. Em relação ao ano passado, existiram algumas casas que fecharam, porém houve outras que abriram pela primeira vez e que fizeram com que este ano houvesse mais portas abertas.

  1. Por que acha que não abrem mais pessoas ao compasso?

Muitas pessoas, após fecharem as suas portas pela primeira vez, acomodam-se e não abrem mais. Outras têm familiares que abrem as portas noutras freguesias e por isso vão lá receber Cristo Ressuscitado. Para além disso, existem pessoas que por altura da Páscoa aproveitam para ir de férias para outros lugares.

  1. O que mais surpreendeu?

A receção daqueles que nos abriram as portas de suas casas. Fomos sempre extremamente bem recebidos, em todas as casas sem exceção. Havia em todas as habitações uma alegria contagiante que nos enchia o coração de felicidade.

  1. O que foi mais difícil?

Quando aceitamos este projecto, já sabíamos o que queríamos. Como tínhamos tanta alegria naquilo que íamos fazer, nada nos custou. Quando as coisas são feitas com amor e total disponibilidade, nada é dificuldade. Porém, como é conhecimento da paróquia, aconteceu à nossa família algo que não estávamos a contar. Quando se descobre que um familiar próximo tem uma doença grave, que está a sofrer, tudo se torna um pouco mais difícil. Posso dizer que a maior dificuldade que tive foi lidar com dois sentimentos muito fortes: a alegria de ser Mordomo da Cruz, de levar a Boa Nova de Cristo ressuscitado a todos, e a tristeza em ter alguém próximo de nós doente e a fugir-nos dia após dia, alguém que também gostava de ter vivido a Páscoa tal como nós a vivemos.

  1. Sempre falou nesta páscoa como um projecto de família. Há quanto tempo existe e porque o abraçaram agora?

Desde há muitos anos que a nossa família tinha este projecto de ser Mordomo da Cruz em mente, porém fomos adiando ano após ano. Assim, depois de ter surgido o convite por parte do Sr. Pe. Vítor, ponderamos os prós e contras e acabamos por aceitar chegando à conclusão de que era a altura certa, o que acabou por demonstrar que foi a aposta correta.

  1. Como pensa que será a Páscoa no futuro?

No futuro, acredito que as pessoas não vão deixar morrer esta nossa tradição tão rica de levar Cristo Ressuscitado de casa em casa. São dias que se vivem de forma muito intensa e que as pessoas não querem deixar morrer. Já se vêem muitos casais jovens a abrir as suas portas e acredito que no futuro haverá mais. Se houver mais mordomos da cruz nos próximos anos, a Páscoa deverá continuar a ser celebrada de forma intensa e alegre. Porém, «o futuro só a Deus pertence».

  1. Qual a sensação de ser mordomo da cruz?

É uma sensação óptima, são vividos momentos únicos.

  1. O que diria àqueles que também querem ser ou por que razão deviam ser?

Se têm vontade de um ano serem Mordomos da Cruz, não hesitem! Avancem sem medos, pois é uma das coisas mais bonitas que jamais pode acontecer. É, na minha opinião, a realização de um sonho.

  1. Numa frase, como foi a Páscoa da Família Parente?

A Páscoa da Família Parente foi excelente, extraordinária.

E assim, se fecha a página da Páscoa de 2015 que não vai ficar selada, mas aberta para a posteridade e recordada por muitos anos.

 

1 Comment

  1. paula gomes

    Eu quero dar os parabens à minha irma ao meu cunhado aos meus sobrinhos assim que a toda a familia parente por o trabalho extraordinario que fizeram, foi tudo muito bonito obrigados a todos

    Reply

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *